Madeleine Rosenbolt

07:47:00


Mãos gélidas pela brisa fria, rosto pausado pelo pavor.
Madeleine sempre soubera que não poderia entrar sozinha na mansão abandonada do Sr. e Sra. Macoy.
Entretanto, uma pequena e curiosa criatura não se conteria a emoção dessa proesa.
Meados de 09 de janeiro de 1920, pequena vila de nome Port Marc. A neve do inverno cobria os campos nessa vila no norte dos EUA.
A pequena Madeleine passava as tardes fazendo bonecos de neve e brincando com suas bonecas de porcelana.
Em uma dessas tardes algo de novo aconteceu, uma família chegou com sua mudança na casa ao lado.
O que chamou a atenção de Madeleine foi o pequeno menino que agarrava com força as mãos da mãe.
Alguns dias depois e as tardes de Madeleine eram entretidas não só na produção de bonecos de neve, mas também pelo sorriso gracioso de Peter.
Um menino doce, com cabelos negros e face rosada que ao sorrir produzia dois furinhos graciosos no rosto.
Madeleine e Peter faziam anjinhos na neve ou caçavam os gatos da Sra. Churchil...
Tardes alegres e felizes.
Por acaso, em uma tarde gelada, a mãe de Peter e de Madeleine precisaram sair e pediram a ajuda da Sra. Churchil para cuidar deles até elas voltarem.
A doce senhora, viúva, se encarregou da missão que lhe impuseram.
Então, sentaram em frente a lareira, cada um com sua caneca de chocolate quente, então ela propôs narrar uma história.
Ambas crianças acenaram positivamente com a cabeça e sorriram.
"A história chama-se: O terrível caso dos Macoy"- disse a anciã.
-Saibam pequenos, existe uma mansão logo após o outro quarteirão em um terreno baldio, a casa dos Macoy. Não se pode entrar lá.
"Por que não?"- perguntou Peter.
-Por que há muitos anos atrás o Sr. e Sra. Macoy sonorizavam nossas noites com os rituais que praticavam. Alguns curiosos chegaram para lá espiar...
Entre eles um pequeno menino.
Em uma certa noite o casal teve um ataque de loucura e mataram o menino para utilizar em um desses rituais, e deram fim a própria vida logo em seguida.
Por isso ninguém deve se aproximar daquele lugar que julgam amaldiçoado.
Os dois pequenos se entreolharam, quando toca a campainha. Eram as mães das crianças.
Após agradecer se despediram.
Claire Churchil não deveria ter contado essa história, presumo.
Na manhã seguinte, Madeleine acordou e se arrumou, após o almoço saiu para esperar Peter. Ele não apareceu naquela tarde.
Na tarde seguinte também.
Soube por sua mãe que Peter havia desaparecido, mas Madeleine imaginava onde Peter fora, a casa dos Macoy.
Após pegar seu casaco, saiu escondida da mãe em direção a tal mansão.
Ao chegar, viu um dos sapatos de Peter. Agora tinha certeza de que ele estivera ali.
Abriu a porta da frente, estava tudo escuro. Subiu uma escada devagar...
Ouvia os risos de Peter...
Abriu a porta de um quarto quando viu Peter morto no chão...
Entrou em choque e não conseguia se mover.
Logo atrás algo a acertou.
Naquela vizinhança de Port Marc, jamais se ouviu novamente as risadas graciosas de Peter e Madeleine...
Já não se construíam bonecos de neve.
E não se descobrira o segredo da mansão Macoy.

-Daiane C Silveira

You Might Also Like

4 comentários

Estarei respondendo em breve ♥

About me

Todos os textos assinados com "Daiane C Silveira", são escritos por mim, assim sendo, não podem ser copiados a menos que se identifique o autor.
Não copie isso é CRIME!

TOTAL DE VISUALIZAÇÕES DA PÁGINA

CRÉDITOS

Algumas imagens aqui utilizadas não são de minha autoria. Nesse momento: A imagem da página contato, e o layout. O autor do template consta no rodapé, e o autor da fotografia não encontrei o nome para dar-lhe o devido crédito.
-Daiane C Silveira